Natal
+29°C
 
PARTICIPE:
siga o EncontraRN no Facebook
siga o EncontraRn no twitter siga o EncontraRn no Google+
Follow Me on Pinterest
 
Natal
Porta de entrada para o turismo no Rio Grande do Norte.
2ª menor Capital do Brasil.
Conhecida como Capital Espacial do Brasil.
"Cidade do Sol"
 
 


Nasceu em 2008 o potiguar Encontra Rio Grande do Norte com a missão de ser o maior Guia de Bairros
e cidades do Rio Grande do Norte

Todos os bairros de Natal e cidades RN
“ aqui Potiguar Encontra ”
   


::MENU::    Início  |  Sobre Natal  |  Sobre Rio Grande do Norte  |  Cidades do RN |  Mapas RN  |  Hotéis RN  |  Pousadas RN

::MENU::    Prefeitura Natal  |  Parques Natal  |  Restaurantes Natal  |  Hotel Natal  |  Pousada Natal |  Telefones Úteis Natal







Foto Panorâmica RN - Foto Natal

Sobre Natal

Natal é um município brasileiro, capital do estado do Rio Grande do Norte. Pertence à Mesorregião do Leste Potiguar e à Microrregião de Natal. Com uma área de 167,263 km², é a segunda capital brasileira com a menor área territorial (maior apenas que Vitória), fazendo desta a sexta maior capital do país em densidade populacional, distando 2 507 quilômetros de Brasília, a capital nacional.

Fundada em 1599, às margens do Rio Potenji, a cidade é conhecida mundialmente e conta com importantes monumentos, parques e museus e pontos turísticos, como o Teatro Alberto Maranhão e a Coluna Capitolina Del Pretti, no Centro Histórico, além de outras atrações como a Ponte Newton Navarro, o Museu Câmara Cascudo, o Parque da Cidade, o Museu de Cultura Popular, o Parque das Dunas, a Catedral Metropolitana e praias como Ponta Negra e dos Artistas, e eventos de grande repercussão, como a Feira Internacional de Artesanato (FIART), o Carnatal, as festas juninas e as comemorações natalinas. É também conhecida como a "Capital Espacial do Brasil", devido às operações da primeira base de foguetes da América do Sul, o Centro de Lançamento da Barreira do Inferno, atualmente localizada no município limítrofe de Parnamirim.

Historicamente, a cidade teve grande importância durante a Segunda Guerra Mundial em 1942 durante a Operação Tocha, já que os aviões da base aliada americana se abasteciam com combustível no lugar que hoje é o Aeroporto Internacional Augusto Severo, sendo classificada como "um dos quatro pontos mais estratégicos do mundo". Abriga três das sete maravilhas do Rio Grande do Norte: a Fortaleza dos Reis Magos, o Frasqueirão, o Morro do Careca. A capital potiguar será também uma das doze sedes da Copa do Mundo de 2014.

De acordo com a estimativa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2012, sua população é de 817.590 habitantes, sendo o vigésimo município mais populoso do país. Sua região metropolitana, formada por Natal e outros nove municípios do Rio Grande do Norte, possui uma população de quase 1,4 milhões de habitantes, formando a quarta maior aglomeração urbana do Nordeste, a décima sexta maior região metropolitana do país e a 388ª maior do mundo.

Etimologia

Fundada em um dia de Natal, em 25 de dezembro de 1599, o nome do município tem origem no latim natale (algo como "local de nascimento") e, segundo escritores, tem ligação direta com a data de fundação da cidade. Há duas teses sobre a fundação da cidade: a primeira diz que o sítio primitivo da cidade foi demarcado por Jerônimo de Albuquerque no dia 25 de dezembro de 1599, e a outra é que um capitão chamado Manuel Mascarenhas chegou ao local com a missão de construir um forte e uma cidade para assim fortalecer a posição de Portugal e afastar qualquer possibilidade de invasão.

História

A história da Capitania do Rio Grande do Norte teve início a partir de 1535, com a chegada de uma frota comandada por Aires da Cunha, a serviço do donatário João de Barros e do Rei de Portugal. O objetivo era colonizar as terras da região, tarefa esta dificultada pela forte resistência dos indígenas potiguaras e dos piratas franceses que traficavam pau-brasil. Estava iniciada a trajetória histórica da área situada na esquina da América do Sul.20

Mais tarde, em 25 de dezembro de 1597, uma nova esquadra comandada por Manuel Mascarenhas Homem e Jerônimo de Albuquerque entrava na barra do Rio Potengi. A primeira providência adotada pelos expedicionários foi tomar precauções contra os ataques indígenas e dos corsários franceses. Doze dias depois da chegada, no dia 6 de janeiro de 1598, começaram a construção de um forte sobre os arrecifes situados nas redondezas da chamada Boca da Barra. A edificação foi chamada de Fortaleza da Barra do Rio Grande e foi concluída no dia 24 de junho do mesmo ano. Nas circunvizinhanças, logo se formou um povoado que, segundo alguns historiadores, foi chamado de "Cidade dos Reis". Tempos depois, o povoado mudou de nome, passando a se chamar "Cidade do Natal".

Após a expulsão dos franceses e a construção de uma fortaleza, ainda restava fundar uma cidade. Devido à destruição de documentos por holandeses, a história de fundação da capital potiguar foi perdida. Há uma luta entre historiadores potiguares para reconstituir esse acontecimento, porém ela tem gerado controvérsias no que se refere aos tempos. Por isso, não se sabe ao certo quem fundou Natal. Uma das versões afirma que ela foi fundada após Manuel Mascarenhas Homem ter designado Jerônimo de Albuquerque como comandante da fortaleza, que depois seguiria à Bahia para prestar contas da missão desempenhada. Avanços de pesquisas já comprovaram que Mascarenhas não designou Jerônimo para poder exercer a função de capitão-mor do Rio Grande e que ele não se encontrava presente na data da fundação da cidade, não podendo, portanto, ser considerado como fundador de Natal. Porém, sabe-se que a data de fundação da cidade é 25 de dezembro de 1599. Outra hipótese ainda afirma que Natal foi fundada por João Rodrigues Colaço, e depois da fundação teria sido celebrada uma missa no local que corresponde à atual Praça André de Albuquerque.

Com a presença neerlandesa da Companhia das Índias Ocidentais na região, a vida da cidade começou a evoluir. A fortaleza, que antes era de taipa, passou a ser de alvenaria e a se chamar Forte de Kenlen. Natal, então, virou Nova Amsterdã, durante o período da invasão holandesa, compreendida entre 1633 e 1654.

Seu crescimento foi acentuadamente lento nos primeiros séculos de sua existência. Segundo o historiador Câmara Cascudo, Natal tinha apenas 6.393 habitantes no final de 1805, passando para mais de dezesseis mil pessoas no final do século XIX. Somente a partir de 1922 a cidade começou a se desenvolver em ritmo mais acelerado. Além do crescimento, a cidade também começou a ter destaque na história da aviação: hidroaviões começaram a aterrissar sobre as águas do Rio Potenji. Mais tarde, foi a vez dos aviões, que pousavam em um campo de terra firme. A primeira esquadrilha a chegar em Natal e aterrissar sobre o rio Potenji foi a do exército dos Estados Unidos, em 1927, comandada pelo major Herbert Dangue.

Em 1935, a cidade foi alvo de rebelião e violência com a Intentona Comunista, liderada principalmente por comunistas. Essa rebelião foi gerada principalmente por setores da população descontentes com a atuação de Mário Câmara, governador do Rio Grande do Norte na época. Ela teve início no período noturno de 23 de novembro de 1935, quando, no atual Teatro Alberto Maranhão, ocorria a colação de grau de Colégio Marista.

Natal é uma das cidades brasileiras mais próximas do continente europeu e do norte da África, fator decisivo para que, desde a Segunda Guerra Mundial, a cidade passasse a ser destaque na história da aviação.

Com o advento da Segunda Guerra Mundial, a cidade continou seu ritmo de crescimento e evoluiu com a presença de contingentes militares brasileiros e aliados (particularmente norte-americanos), consumando-se o seu progresso com a construção das bases aérea e naval, local de onde as tropas partiam para o patrulhamento e para a batalha na defesa do Atlântico Sul, e na realização das campanhas militares no norte da África.

Em 1942, durante a Operação Tocha, vários aviões de países aliados se abasteceram em Natal, no lugar em que hoje é o Aeroporto Internacional Augusto Severo. Ao mesmo tempo o Departamento de Guerra dos Estados Unidos classificou a cidade como "um dos quatro pontos mais estratégicos do mundo", juntamente com o Canal de Suez (Egito), o Estreito de Bósforo (Turquia) e o Estreito de Gibraltar (entre a África e a Europa).

Em 28 de janeiro de 1943, foi a vez de Natal ser a sede de uma conferência, que contou com a participação de Getúlio Vargas (presidente do Brasil) e Franklin Delano Roosevelt (presidente dos Estados Unidos). Nessa mesma data, houve um acordo sobre a entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial e, posteriormente, iniciou-se a construção de uma base aérea estadunidense, que mais tarde viria a receber o nome de "Trampolim da Vitória". Atualmente, esta base está localizada em Parnamirim.

Depois disso, a cidade não parou de crescer e, no ano 1999, aniversário de quatrocentos anos da cidade, Natal detinha já um número de 700.000 habitantes. Atualmente, é uma cidade moderna, que apresenta os melhores índices socioeconômicos do Nordeste, uma das menores desigualdades sociais do país e uma economia moderna e dinâmica. Atravessada pelo Rio Potenji, que separa a zona norte das demais zonas da cidade, Natal realçou sua beleza e se tornou cada vez mais moderna e diferente das demais capitais da região Nordeste, com as suas avenidas e ruas largas, especialmente nos bairros de Tirol e Petrópolis.

Geografia

A capital potiguar está distante 2.507Km de Brasília, a capital federal. A área total do município é de 167,273 km²,7 Essa área total do município representa 0,3226% da área do estado do Rio Grande do Norte, 0,011% da Região Nordeste do Brasil e 0,002 % de todo o território do Brasil.

O município está localizado dentro de um conjunto de quatro bacias hidrográficas: a Bacia Hidrográfica do Rio Ponteji (que cobre 31,19% da área do município), faixa litorânea oriental de escoamento difuso (30,9%), bacia hidrográfica do Rio Doce (23,43%) e bacia do rio Pirangi (15,3%). Natal é ainda cortada pelos rios Potenji - cuja nascente está localizada no município de Cerro Corá, no interior do estado, percorrendo 176 quilômetros até desembocar no Oceano Atlântico, em Natal; esse rio marca a divisão entre a zona norte e o restante da cidade, tendo seu acesso via Ponte de Igapó e mais recentemente pela imponente Ponte Newton Navarro -, Pitimbu - nasce no município de Macaíba, corta o bairro natalense de Pitimbu e deságua na Lagoa do Jiqui, no município de Parnamirim - e Jundiaí - nasce na região agreste do estado, no município de Sítio Novo, e deságua no Rio Potenji.

Clima

O clima de Natal é o tropical úmido, com temperatura média em torno de 28 °C. Por estar localizada a menos de cem metros de altitude, o município recebe ventos constantes. Devido ao ar puro predominante no município, Natal recebeu o título de Cidade do Sol, pelo fato de estar localizada próxima à Linha do Equador e de, em alguns dias do ano, o tempo ensolorado chegar a até quinze horas diárias. Apesar dos constantes ventos que a cidade costuma receber, há um intenso calor provocado pela ação do Sol. Devido à qualidade do ar de Natal, um estudo feita pela NASA concluiu que o ar natalense é o mais puro de todo o continente americano.

Demografia

Em 2010, a população do município foi recenseada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 803.739 habitantes, sendo o mais populoso do estado e o vigésimo do Brasil, apresentando uma densidade populacional de 4808,20 habitantes por km². Neste ano, 377.947 habitantes eram homens e 425.792 eram mulheres. Já em 2011 a população total estimada pelo IBGE é de 817.590 habitantes.

Segundo o IBGE, no ano de 2003 o coeficiente de Gini, que mede a desigualdade social, é de 0,53, sendo que 1,00 é o pior número e 0,00 é o melhor. A incidência da pobreza, medida pelo IBGE, é de 40,86%, o limite inferior da incidência de pobreza é de 27,71%, o superior é 54,02% e a subjetiva é 39,94%.

Subdivisões

Ao todo, a cidade se divide em quatro regiões administrativas, totalizando um total de 36 bairros. O município de Natal está dividido em quatro regiões administrativas ou zonas, que, por sua vez, subdividem-se em bairros. As quatro zonas da cidade do Natal são:

Região Administrativa Norte ou Zona Norte: é a maior, tanto em área territorial, quanto em população, da cidade. Possui uma população de 302.333 habitantes (2008), equivalente a 37,88% da população da cidade, superando todos os municípios do interior do Rio Grande do Norte, inclusive Mossoró, que é a segunda maior cidade do estado. A densidade demográfica, no mesmo ano, era de 54,85 hab./km². É separada das demais zonas de Natal pelo Rio Potenji e se divide em sete bairros: Igapó, Lagoa Azul, Nossa Senhora da Apresentação, Pajuçara, Potengi, Redinha e Salinas.

Região Administrativa Sul ou Zona Sul: segunda maior zona de Natal em extensão territorial, é a terceira mais populosa da cidade, com 162.688 habitantes em 2008 (20,39% da população natalense) e uma densidade demográfica de 40,71 habitantes por quilômetro quadrado.80 Assim como na Zona Norte, a Zona Sul de Natal também se divide em sete bairros: Candelária, Capim Macio, Lagoa Nova, Neópolis, Nova Descoberta, Pitimbu e Ponta Negra. É nela onde se localizam o Centro Administrativo do Estado do Rio Grande do Norte e a Praia de Ponta Negra, próximo à divisa de Natal com Parnamirim.

Região Administrativa Leste ou Zona Leste: é a menos populosa de Natal, com 118.193 habitantes em 2008 - equivalente a 14,39% da população do município, e ao mesmo tempo a zona que possui a maior densidade demográfica entre as demais zonas da cidade (81,09 hab./km²). É a zona que reúne o maior número de bairros de Natal: Alecrim, Areia Preta, Barro Vermelho, Cidade Alta, Lagoa Seca, Mãe Luíza, Petrópolis, Praia do Meio, Ribeira, Rocas, Santos Reis e Tirol.

Região Administrativa Oeste ou Zona Oeste: é a segunda zona mais populosa do município e também a segunda maior em área territorial. É formada por dez bairros: Bom Pastor, Cidade da Esperança, Cidade Nova, Dix-Sept Rosado, Felipe Camarão, Guarapes, Nordeste, Nossa Senhora de Nazaré, Planalto e Quintas.

Cultura

Em várias partes do município é possível encontrar uma produção artesanal diferenciada, feita com matérias-primas regionais e criada de acordo com a cultura e o modo de vida local. Alguns grupos reúnem diversos artesãos da região, disponibilizando espaço para confecção, exposição e venda dos produtos artesanais. Normalmente essas peças são vendidas em feiras, exposições ou lojas de artesanato. Na cidade destaca-se a Feira Internacional de Artesanato (FIART), realizada anualmente em parceria com o governo estadual. O evento conta com exposição de produtos artesanais e uma vasta programação cultural, como shows, apresentações culturais, orquestras e a presença de mais de setenta grupos folclóricos.

Além da FIART, destaca-se ainda o artesanato realizado no bairro Ponta Negra, que reúne uma grande variedade de peças do artesanato potiguar. Nesse bairro, é realizado o Festival do Turismo, Artesanato e Cultura de Natal, que é realizado no Shopping Mãos de Arte e abrange uma vasta programação cultural, bem como a produção de artistas plásticos da cidade e a riqueza do folclore natalense.

Atrações Turísticas

Natal é considerada como a porta de entrada para o turismo no Rio Grande do Norte. São mais de dois milhões de turistas por ano. A cidade possui diversas atrações turísticas espalhadas pelo seu território, como o Canto do Mangue - local onde pode ser visto um dos mais belos pôr do sol da cidade, a Catedral Metropolitana - inaugurada em 1988 e sede da Arquidiocese de Natal, o Centro Histórico - onde se localizam importantes monumentos como o Espaço Cultural Palácio Potengi, o Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte, o Memorial Câmara Cascudo, o Museu de Arte Sacra e o Museu da Cultura Popular, o Estádio João Machado - conhecido popularmente como "Machadão", é o estádio oficial do América de Natal e do Alecrim Futebol Clube e está sendo demolido pelo governo estadual para dar lugar à Arena das Dunas, que irá sediar os jogos da Copa do Mundo de 2014, a Fortaleza dos Reis Magos - construída em 6 de janeiro de 1598 (dia dos reis magos, daí seu nome) e considerada como o marco inicial da cidade, entre outros.

Além dos pontos turísticos, a cidade também realiza uma diversa quantidade de eventos anualmente, como a Festa dos Santos Reis (que é realizada entre os 1 e 6 de janeiro), a Festa de Nossa Senhora dos Navegantes (comemorada na praia da Redinha no dia de 20 de janeiro), o Carnaval (tem data móvel, podendo ser em fevereiro ou março), o Micareme (realizado quarenta dias após o Carnaval), o Festival de Quadrilhas de Natal (que é realizado no período das festas juninas), a Festa do Boi (em outubro), a festa de Nossa Senhora da Apresentação (realizada no dia 21 de novembro), o Carnatal (realizado na primeira quinzena do mês de dezembro), o Natal em Natal e o Auto de Natal (realizados em 22 de dezembro. Também se destacam o Domingo na Praça, a Feira Internacional de Artesanato (FIART), a Festa Alemã do Berlim Bar, o Festival de Cinema (FESTNATAL), Muitos Carnavais, o Projeto Cultural da Praia dos Artistas, o Projeto Seis e Meia, o Viv’art e o Forró com Turista.

Índice

Dados

Fundação 25 de dezembro de 1599
Gentílico natalense
Prefeito(a) Carlos Eduardo Alves (PDT) (2013–2016)

Brasão de Natal

Bandeira de Natal

Localização

Estado Rio Grande do Norte
Mesorregião: Leste Potiguar
Microrregião:Natal
Região metropolitana:Natal
Municípios: Extremoz, Parnamirim, Oceano Atlântico, Macaíba e São Gonçalo do Amarante.

Características geográficas

Área 167,273 km²
População
817 590 hab. (RN: 1º)
Densidade
4 887,76 hab/km²
Altitude
30 metros
Clima
tropical úmido
Fuso horário UTC-3

Indicadores

IDH 0,788 - médio PNUD/2000
PIB R$ 10.369.581,000 mil (BR: 39º) IBGE/2009
PIB per capita R$ 10.862,25 IBGE/2008